top of page

FENDI Patrocina "Louise Bourgeois: Unconscious Memories" na Galleria Borghese

De 21 de junho a 15 de setembro, a Galleria Borghese em Roma apresenta "Louise Bourgeois: Unconscious Memories", uma exposição patrocinada pela FENDI.

Foto: Divulgação


Esta mostra é a primeira dedicada a uma artista mulher contemporânea na Galleria Borghese e marca a estreia do trabalho da franco-americana Louise Bourgeois na capital italiana. Bourgeois é amplamente reconhecida como uma das artistas mais influentes do século XX, e sua obra é celebrada pela sua profunda contribuição para a escultura e pela exploração de temas emocionais e psicológicos complexos.

Concebida por Cloé Perrone e curada por Geraldine Leardi e Philip Larratt-Smith, a exposição é uma colaboração entre a The Easton Foundation e a Academy of France – Villa Medici. "Unconscious Memories" entrelaça a memória pessoal da artista com a memória coletiva do museu, oferecendo uma rota que abrange vários ambientes do Museu, incluindo o Aviário e o jardim Meridiana, locais que Bourgeois explorou em sua primeira visita a Roma em 1967. Cerca de 20 esculturas dialogam com a arquitetura única do Casino Borghese e sua coleção, explorando temas como metamorfose, memória e a expressão de estados emocionais e psicológicos.

Foto: Divulgação


A carreira de Louise Bourgeois (Paris, 1911 - New York, 2010) durou sete décadas e influenciou profundamente a arte contemporânea com a incorporação de temas de psicanálise e feminismo. Nos anos 1960, após um intenso período de psicanálise, ela começou a trabalhar com formas biomórficas e experimentou materiais como borracha, gesso e cera. Nos anos 1990, Bourgeois introduziu seu primeiro grupo de "Células", estruturas independentes que combinam elementos esculpidos, objetos encontrados e itens pessoais.

A exposição inclui importantes obras de Bourgeois, como "Janus Fleuri", "Topiary" e "Passage Dangereux", que exploram a transformação e o desenvolvimento pessoal. "Janus Fleuri" simboliza começos e transições, referenciando o deus romano Janus, enquanto "Topiary" reflete o crescimento orgânico e o desenvolvimento de uma jovem. "Passage Dangereux", a maior "Célula" de Bourgeois, encapsula a jornada da infância à maturidade.

Foto: Divulgação


O relacionamento de Bourgeois com a Itália e a coleção Borghese influenciou significativamente sua prática criativa. Seus estudos de história da arte no Louvre e suas estadias em Pietrasanta e Carrara entre 1967 e 1972 foram fundamentais para seu desenvolvimento artístico. Ela criou diversas obras em bronze e mármore durante esse período e continuou a produzir esculturas na Itália até os anos 1990. A exposição também apresenta obras como "The Welcoming Hands", "Spider", "Jambes Enlacées" e "Untitled (Nº7)", que são exibidas em diálogo com as peças do acervo Borghese, criando novas perspectivas e interações. "The Welcoming Hands" representa dependência, intimidade e proteção, enquanto "Spider" simboliza a resiliência e proteção materna. "Jambes Enlacées" é um delicado par de pernas cruzadas, e "Untitled (Nº7)" apresenta mãos entrelaçadas simbolizando solidariedade.

Foto: Divulgação


A Galleria Borghese, conhecida por sua vasta e rica coleção de arte que abrange obras-primas do Renascimento e do Barroco, foi originalmente a residência do Cardeal Scipione Borghese, um ávido colecionador de arte e patrono de artistas como Caravaggio e Bernini. A preservação da memória de seu colecionador fundador é central para a Galleria Borghese, e todas as obras-primas que ele colecionou contam a sua história, que por sua vez tornou-se a história de um dos museus mais importantes do mundo. Bourgeois, por outro lado, parece não se esconder, mas expor-se ao máximo, tentando contar até seu inconsciente, os níveis de emoção que são difíceis de narrar. Nessa referência cruzada entre a memória pessoal e coletiva, entre espelhos e gaiolas, está a força estética dessa mostra, que graças às obras da grande escultora do século XX fomentam a mise en abyme da coleção Borghese.


Foto: Divulgação


A exposição é acompanhada por um catálogo e um guia, ambos publicados pela Marsilio Arte, incluindo visualizações das instalações de Bourgeois na Galleria Borghese. A mostra foi possível graças ao apoio da FENDI, patrocinadora oficial. O programa público "Esistere come Donna" foi organizado por Electa, e a parceria de hospitalidade da exposição inclui o Hotel Eden, Dorchester Collection.

Louise Bourgeois, conhecida principalmente como escultora, trabalhou em diversas mídias durante sua carreira de 70 anos. Criada em Paris, ela se envolveu no negócio de restauração de tapetes da família desde cedo. Suas obras frequentemente exploram temas de culpa, ciúme, traição e abandono, refletindo seu complexo relacionamento familiar. Bourgeois foi nomeada Oficial da Ordem das Artes e Letras em 1983 e recebeu o Grand Prix National de Sculpture em 1991, entre outras honrarias. Ela representou os Estados Unidos na Bienal de Veneza em 1993 e recebeu o Leão Dourado da Bienal de Mestre Vivo em 1999. Seu trabalho foi tema de importantes mostras internacionais, incluindo no MoMA, Tate Modern e Centre George Pompidou.

Comentários


bottom of page